Clínica de Terapia de Casal :: Ajudamos Casais

   
     213 571 887
Tap To Call

Seria Capaz de Perdoar uma Traição?

Happy-traição-casal

Entrevista concedida por Dra. Celina Coelho de Almeida a Happy Woman. Edição Abril 2011.

SERIA CAPAZ DE PERDOAR UMA TRAIÇÃO?

Um dia o mundo parece que veio abaixo. Uma traição. E agora o que fazer?

“ESTAVA COM RAIVA, NOJO, CIÚMES… SENTIA-ME GOZADA, HUMILHADA, NESSE DIA NÃO DORMI EM CASA E ENVIEI-LHE UMA SMS A EXPLICAR PORQUÊ”

Já foi traída? vítima de traição? Perdoou? Já traiu? Foi perdoada? E se a resposta foi positiva, como reconstruiu a relação com a mesma pessoa? Como lidou com o seu perdão ou com o do outro? Será que existem vários tipos de traição? A que começa e acaba com sexo; a outra que envolve sentimentos? A que é virtual? E será que as mulheres perdoam mais facilmente do que os homens? Pode ser até a traição um impulsionador para um relacionamento mais feliz? Fomos à procura de respostas em testemunhos de mulheres que já foram traídas, outras que também já traíram, em opiniões de terapeutas conjugais e em estudos que escondem o outro lado que se faz de raiva, desejo de vingança, sentimento de perda, ressentimento, culpa, baixa auto-estima, arrependimento e, talvez, de esperança que volte a ficar tudo bem…

 

FUI TRAÍDA E TRAÍ

Ângela, 33 anos. Após quatro anos de relacionamento com João foi traída. «Foi dura a forma como me deparei com a traição. Apanhei-o quase em flagrante depois de algumas semanas de grande desconfiança. Ele estava a sair do prédio onde vivia a outra. Eu soube que ele tinha uma “aventura”, de inicio ainda tentei fechar os olhos, exactamente por pensar que seria apenas um devaneio, mas aquilo arrastou-se e eles encontravam-se com alguma frequência. O sexo com ele ficou posto de lado. Era incapaz até de me despir à frente dele. Estava com raiva, nojo, ciúmes… e sentia-me gozada, humilhada. Nesse dia não dormi em casa e mandei-lhe uma mensagem a explicar porquê. Ele ficou surpreso, subestimou-me até, achava que eu era tão burra que não tinha percebido nada.»

No dia seguinte veio a conversa que nunca imaginou ter com João. «Eu terminei tudo, estava demasiado magoada e revoltada para ouvir as explicações dele, teria alguma explicação lógica? Teria alguma justificação? A situação foi ainda mais grave porque eu andava desconfiada que estava grávida dele.»

 

ESTOU GRÁVIDA MAS ISSO NÃO É MOTIVO

No mês seguinte veio a confirmação. Ângela estava grávida do primeiro filho. Ponderou se valeria, ou não, a pena ter aquele filho com ele, se lhe contava ou não. «Andava bastante deprimida, embora soubesse que ele já tinha colocado um ponto final naquela relação, mas a mágoa ainda era muita. A gravidez trouxe-me outra lucidez. Conversei com o João, contei-lhe que íamos ter um filho, mas que ainda não estava preparada para estarmos juntos e, provavelmente, nunca estaria. Ele ficou radiante, tentou ir para minha casa, mas recusei.» Durante a gravidez o João foi um pai presente, e foi tentando recuperar e quebrar o gelo em que havia congelado a relação. «Só quando o Gabriel nasceu é que perdoei o João e voltámos. Foram meses muito bons, estávamos de novo apaixonados, eu estava “anestesiada” quanto ao passado e só queria viver aqueles momentos em família. Deixei de me preocupar com o João e tornei-me muito mais forte e independente. Isso atraiu-o definitivamente.»

 

NUNCA CONFESSEI

Cerca de oito meses depois de ter sido mãe e de ter retomado a relação com o João, Ângela conheceu de perto a sensação de ser a outra e viver o outro lado da traição. «Tive uma aventura com um colega da minha irmã, foi uma coisa sem sentido, uma atracção física apenas, estivemos juntos duas vezes. Não posso dizer que a relação com o João estivesse má para me desculpar, até estava tudo bem, mas senti um desejo enorme por aquele homem que me seduzia, que me elogiava a toda a hora. O sexo foi bom mas depois senti-me estranha, aquilo não me disse absolutamente nada. Da segunda vez foi ainda pior e depois nunca mais nos encontrámos. Acabei por não contar nada ao João. Ele nunca se apercebeu e conforme aconteceu deixou de acontecer, para quê contar-lhe? Contudo isso deixou-me a pensar, até hoje, porque motivo ele deixou de lado aquele caso, será porque eu descobri ou será porque quis mesmo deixar? A resposta nunca a tive…»

 

AS CONSULTAS:

Perdoar ou ultrapassar?

É possível reconstruir a relação mas isso vai muito além de só «PERDOAR».

Alertam os especialistas

Será que os especialistas têm uma palavra a dizer se é ou não possível perdoar uma traição? As consultas de terapia de casal resolvem estas situações? Ou serão, sobretudo, espaços de aconselhamento a náufragos quando o barco já foi mesmo ao fundo? Celina Coelho de Almeida é terapeuta familiar e fundadora da Insight – Clínica de Psicologia de onde faz parte a Clínica de Psicologia do Casal. Para a directora clínica faz sentido distinguir «perdoar» e «ultrapassar» a traição. «No caso do perdão, existem de facto muitos parceiros(as) que perdoam tudo, com o único objectivo de não perder o outro. E nestes casos pondo em ultimo plano o seu amor-próprio e, muitas vezes, as evidências da falta de disponibilidade do parceiro(a) para investir na relação. No caso de ultrapassar uma traição, existem vários casais que decidem apostar na relação após um deles ter sido infiel. Neste caso fala-se de um processo evolutivo e reparador dentro da relação e que passa por várias fases que incluem a zanga, a desilusão, a desconfiança, o repensar a relação, a possibilidade de perdoar e a capacidade de reparação.»

marcar.consulta

moradas_terapia_de_casal

 

7 Responses so far.

  1. renata lima diz:

    EU FUI TRAIDA APÓS QUINZE ANOS DE CASAMENTO E DEZOITO DE RELACIONAMENTO , FIQUEI SEM CHÃO , MEU PRIMEIRO PASSO DEVIDO A RELAÇÃO DELE FOI PERDOAR , MAIS ELE ALEGA QUE NÃO SE PERDOA E EU MESMO TENDO PONDERADO TODO NOSSO TEMPO DE RELACIONAMENTO E A PESSOA QUE ELE FOI DURANTE ESTE TEMPO “MARAVILHOSA”, “PARCEIRO” HOJE TENHO MUITAS DUVIDAS SEI QUE É RECENTE TEM MENOS DE UM MÊS QUE ELE ME CONFESSOU , NÃO SEI SE FOI A MELHOR OPÇÃO PARA AMBOS… TUDO ESFRIOU OLHO PARA ELE E NÃO CONSIGO SENTIR QUE ELE ME AMA , E PIOR NÃO CONSIGO SABER SE MEU SENTIMENTO É AMOR OU DEPENDENCIA APENAS.

  2. dilma diz:

    renata estou passando por situação agora pareçidissima com a sua se quiser me escrever este é meu email dilma368@hotmail.com quem sabe não trocamos idéias para se ajudar ???

  3. manu diz:

    Também eu estou a passar pelo mesmo inferno, dezoito anos de casada, duas filhas,um casamento fabuloso, bom sexo e sem problemas ou zangas e agora eis que surge o traidor confesso e segundo ele arrependido, que diz que sempre me amou e foi apenas … imagine-se curiosidade! mas convém referir que durou seis meses segundo ele.
    Não sei o que fazer, sinto-me só, triste, desiludida, com raiva de não ter acabado tudo na hora, não acredito numa única palavra do que ele me diz, e estou num beco sem saída, não sei o que fazer, elé é “bom” marido e um excelente pai. PossivelmentE não irá ser fácil encontrar melhor, no entanto não sei se ainda o amo ou se apenas tenho raiva dele.
    preciso de ajuda e se puder ajudar em qualquer coisa, nem que seja apenas para desabafar

  4. Rosa miguel diz:

    Meu caso e diferente amigas. Descobri que meu marido tem uma relação de dois anos e um filho. Ate deu casa na outra. Somos casados a sete anos, temos três filhos. Pedi divorcio, ele não quer dar . Estou sem chão. Mas ainda eu o amo muito, será que ele merece esse amor? Ele me disse que já não tem nada com ela que apenas deu casa pAra o filho. Será que devo acreditar nele? Me ajudem por favor, não imaginam o quanto estou passando por isso tudo. Nem condigo trabalhar direito, quero ate fugir da minha cidade de tAnto desreipeito. O que faço amigas?

  5. NINA diz:

    Minhas amigas
    isto de traições tem mto k se lhe diga eu já fui traida de formas diferentes -1- fui trocada pela outra -em namoro- mas no fundo do meu coração esta mágoa nunca passou, apeguei-me a isso e aí encontrei forças pra me formar e me tornar numa mulher de “M”, a seguir encontrei emprego e passado 5 anos começo uma nova relação k pra mim ers DEUS no céu e ele na terra, apaixonei-me perdidamente, mas estávamos separados por 300km e ele em part-time arranjou outra onde vivia-eu n sabia- consegui vir trabalhar pra onde ele estava e td corria ás mil maravilhas , um sonho, até k o irreal mas mto real estava dentro duma gaveta- cartas e mais cartas, onde 1 delas dizia k ela estava grávida- fikei sem chão, sem tecto, sem eira nem beira, promessas e mais promessas td por agua abaixo, dp d mtas conversas e de semanas sem sentido nem orientação- resolvemos ficar juntos -até hoje n sei se fiz a opção certa – ele tem sido maravilhoso durante todos estes anos, bom marido, bom pai, tenho a certeza k nunca mais fui trida- mas garanto-vos passaram mtos anos-22- mas hoje tenho 1 certeza – se fosse agora jamais teria ido par frente e teria começado a minha vida de novo só ou se encontrasse outra pessoa dp, se do outro nunca passou, pois desta , n se passa 1 unico dia k eu n pense na outra e no miudo e tenho a certeza k vivi uma vida k n foi a minha, hoje detesto ter tomado esta infeliz decisão há 22anos, preferia mil vezes estar hoje só do k viver com isto pairando sobre a minha cabeça, provavelmente nunca perdoei e dói , dói mto, agora já n vale a pena mexer nisto, deixa correr, seja o k DEUS kiser- mas acho k nunca fui feliz e fui vivendo uma vida k no fundo fingi k era feliz mas no fndo nunca fui, e levo este desgosto comigo de nunca ter tido 1 amor só meu, meu mesmo, por mto k me digam k sempre me amaram – cm é k sempre me amou se me traiu , n vale a pena falar mais sobre isto pk foi dar sempre ao mesmo, no fundo tou sempre triste por dentro e alegre por fora, n vivi a minha vida……..

  6. juliana diz:

    EU ESTOU GRAVIDA DE 5 MESES E ESSE FILHO FOI MUITO DESEJADO DURANTE 6 LONGOS ANOS,AGORA MEU MARIDO ME TRAIU E EU O MANDEI EMBORA VIVER SUA VIDA COM A OUTRA.ESTOU TRISTE E MAGOADA,MAIS FELIZ POR TER O MEU FILHO.

  7. Isabella hadad diz:

    E não sei se perdoaria uma traiçaõ também não sei se ja fui traída eu traí por duas vezez,sou casada a 20 anos e devido varios problemas de afeto, financeiro,acabei experimentando uma outra situação para me sentir mulher ,amada e segura nos braços de outro,arrependimento não tenho,vontade de contar nunca,se vou fazer de novo também não sei jamais gostaria de magoar meu marido,sou uma das que acreditam que se acontecer deve morrer conosco a dor de ser traído principalmente pelos homens é cruel,portanto,direito de sermos felizes é fato também é fato que jamais podemos magoar alguém para alcançar tal felicidade,algumas coisas devem nascer com voce e morrer com voce

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Outros artigos interessantesclose